Imagem: Reprodução/Prefeitura de Natividade

A realização é da Prefeitura Municipal de Natividade, por meio da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura com apoio do Sebrae Tocantins.

Cronograma

A programação de abertura, na quarta-feira, 1º, se inicia às 5 da manhã com alvorada. Na sequência, a comunidade participa de momento cívico com apresentações das escolas do município na Praça Leopoldo Bulhões.

No período da tarde, a partir das 14h30, haverá a solenidade de Reabertura da Galeria dos Gestores Públicos na Casa de Cultura Amália Hermano Teixeira.

A Galeria foi inaugurada em 2016 e instalada no antigo prédio do Ginásio de Natividade. De 2017 a 2020, foi desmontada e seus quadros guardados.

 “Com os registros fotográficos nesta Galeria somados às biografias dos homenageados (em publicação confeccionada em 2016), estamos contribuindo com a disseminação do conhecimento daqueles que dedicaram à nobre missão de representar e prestar serviços à comunidade nativitana”, afirma o prefeito de Natividade, Thiago Jayme Rodrigues de Cerqueira.

A programação noturna do primeiro dia contará com apresentações culturais de grupos da cidade, com a tradição da suça, capoeira e catira, abertura da Feira Gastronômica e show de forró com a banda “Farinha com Rapadura”.

Imagem: Reprodução/Prefeitura de Natividade

A Feira Gastronômica é uma parceria com o Sebrae, onde vários stands disponibilizarão a culinária típica da região. Na quinta-feira, 02, a programação de aniversário da cidade mais antiga do Tocantins contará com gincanas escolares, feira gastronômica e show com o cantor gospel Thalles Roberto.

A programação se encerra na sexta-feira, 03, com limpeza voluntária do Córrego Beira de Praia com estudantes de escolas estaduais, feira gastronômica e show com a dupla sertaneja Cleber e Cauan.

Todas as atrações têm entrada franca.

Foto: Simone Natividade/ Divulgação

Natividade

O surgimento de Natividade remonta às origens do Tocantins e ao ciclo do ouro, quando os bandeirantes enfrentaram a resistência dos índios Xavantes e Xacriabás e ocuparam a região Norte de Goiás, por volta de 1734. Portanto, Natividade é reconhecida como a mais antiga do Tocantins.

As relações entre colonizadores, escravos, mineiros, sertanistas, missionários e criadores de gado resultaram no sítio histórico reconhecido como Patrimônio Nacional desde 1987.

O casario com cerca de 250 prédios coloniais e igrejas preservadas, construídos por escravos entre ruas irregulares, guardam a memória do Tocantins colonial.

Entre as igrejas destacam-se a de São Benedito e a Matriz de Nossa Senhora da Natividade, do século XVIII. Os negros também ergueram a igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, construída em pedra e tijolos maciços.

A obra, inacabada, foi iniciada no século 18 e paralisada por volta de 1817, sendo hoje um dos destaques do centro histórico.

Natividade também se destaca pela preservação de seus bens culturais imateriais, como os Festejos do Divino Espírito Santo; a suça, dança típica da região Sudeste do Estado; a culinária tradicional, marcada por biscoitos como o Amor Perfeito e os licores, e a preservação do trabalho de ourivesaria em filigrana, técnica herdada dos portugueses.

O turismo religioso é um dos destaques do município, conhecido principalmente pela Romaria do Senhor do Bonfim.

Com informações de Cinthia Abreu

DEIXE O SEU COMENTÁRIO