Projeto da UFT é aprovado pelo Ministério da Mulher

O projeto “Qualificação e autonomia econômica das mulheres no Tocantins: um caminho possível” está inserido no Macro Programa (Qualifica Mulher) e visa capacitar 1200 mulheres, entre 22 e 55 anos, em situação de vulnerabilidade social no Tocantins.

A Universidade Federal do Tocantins (UFT), por meio da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários (Proex), em parceria com o Ministério da Mulher, da Família, e dos Direitos Humanos aprovou o projeto de qualificação e autonomia e segundo a pró Reitora Maria Santana, tem como objetivo qualificar mulheres em várias cidades do Estado.

“O foco é trazer autonomia a essas mulheres que vivem em situação de vulnerabilidade social, dando atenção especial às quilombolas, ribeirinhas e periféricas”.

Municípios atendidos

O projeto será realizado em seis municípios do Tocantins: Palmas, Araguatins, Arraias, Dianópolis, Miracema e Santa Tereza.

Em três deles os cursos ocorrerão em quatro comunidades quilombolas:

  • Santa Tereza do Tocantins: Comunidade Quilombola Barra da Aroeira;
  • Arraias: Comunidade Quilombola Lagoa Da Pedra e Comunidade Quilombola Kalunga;
  • Araguatins: Quilombola da Ilha De São Vicente;
  • Palmas: Casa 08 de Março, instituição de acolhimento a mulheres em situação de risco;
  • Dianópolis;
  • Miracema do Tocantins.

Cursos

Todos os cursos, em suas programações deverão abordar além das temáticas específicas, os seguintes temas:

  • Motivação/autoestima,
  • Leitura,
  • Saúde e direito da mulher.

Também haverá discussões sobre as múltiplas formas de prevenção da violência contra a mulher, além da cultura empreendedora, buscando contribuir na ampliação das possibilidades de geração de trabalho e renda, da elevação da autoestima e da melhoria de suas condições de vida.

Cursos de capacitação

  • Informação, motivação e valorização da Mulher;
  • Empreendedorismo, Governança, Associativismo e Cooperativa;
  • Criação de galinhas orgânicas;
  • Design de Biojoias;
  • Curso de gastronomia local;
  • Quintais produtos: plantas e comidas medicinais;
  • Produção de doces com frutos do cerrado;
  • Corte e costura;
  • Educação financeira;
  • Produção de derivados de leite;
  • Artesanatos: com frutos/sementes do cerrado, recicláveis: tecido, madeira e MDF.

O valor total do projeto é de R$ 510.820,80. E será realizado até o mês de novembro de 2021.

Com informações da Assessoria da UFT

Comentários do facebook

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: