Ela foi babá, diarista, segurança e hoje é Digital Influencer e Maquiadora: conheça a história de Beth Melo

Cada pessoa tem uma história que pode ser fonte de inspiração para outras pessoas. E é por isso que adoramos contar histórias, hoje vamos compartilhar com você um resumo da trajetória da instrutora de maquiagem, maquiadora e influencer digital, Beth Melo.

Como eu estava com saudade de escrever, pois desde que nossa filha chegou, não tive mais tempo, mas aos poucos vou retomando, as mamães me entendem (risos). E marcando essa lenta retomada quero contar a história de Elizabeth de Melo, 35 anos, mãe da Fabiana e da Jhully, e esposa do Elton Nessin, hoje bastante conhecida como Digital Influencer, principalmente em sua cidade natal, Gurupi-Sul do Tocantins, com mais de 20 mil seguidores no Instagram.

Hoje Beth Melo, como é conhecida, é instrutora de maquiagem, digital influencer e cantora. Mas nem sempre foi assim, ela se esforçou muito para conseguir mudar de vida. Começou trabalhar aos 14 anos de idade, como babá. Casou-se aos 16, teve duas filhas, a primeira com 17 e segunda com 18.

A Digital Influencer diz que sua história começa com a sua mãe, Creusa de Melo, que a teve aos 17 anos, e por ter sido mãe solteira foi muito discriminada, rejeitada e até mandada para fora de casa ainda grávida, o pai não a teria assumido e a mãe a criou sozinha até se casar com o padrasto de Beth.

“Minha mãe é minha maior inspiração, ela é integra, honesta, trabalhadora, sempre ralou muito para criar os 6 filhos, trabalhava fazendo faxina, pra colocar o arroz na nossa mesa, e foi assim que comecei também, trabalhando em casas de famílias, e com o dinheiro que ganhava ia me capacitando pra ter uma carreira profissional e uma renda melhor para criar minhas filhas”.

Cantora e dançarina

Show no trio elétrico no carnaval de 2018. Foto: arquivo pessoal

Foi aos 15 que ela começou a cantar com um tecladista aos fins de semana, na cidade de Aliança, cerca de 50km de Gurupi. Também começou a fazer apresentações de dança com dois amigos, quando foram convidados por uma banda de pagode para dançarem na banda.

 “ Era Raízes do Pagode o nome da banda, e eles perceberam que eu cantava e me convidaram para fazer backing vocal  e aí depois comecei cantar uma música, duas…mas depois conheci o pai das milhas filhas, me casei, engravidei e parei de cantar e aí fui trabalhar de diarista”, relembrou.

Diarista

Dos 18 aos 22, Beth trabalhou como diarista, ela lembra que desejava ter e poder proporcionar uma vida melhor para as filhas, já que nesse meio tempo havia se separado e estava criando as filhas sozinha, por isso dividia o tempo entre trabalhar e estudar. Quando concluiu o ensino médio fez um curso na área da segurança. Isso abriu-lhes as portas para um emprego com salário melhor, quando em 2008 foi trabalhar como segurança em um banco da cidade.

Quando começou trabalhar no banco como segurança, Beth conseguiu comprar a primeira moto/Foto Arquivo pessoal

“ Morava de aluguel numa casa que não tinha nem reboco, nem piso, nada, nem geladeira eu tinha, quando consegui o emprego eu morava na saída para Peixe e ia de bicicleta para o banco, deixava minhas filhas com meu irmão, mas foi com esse emprego que depois consegui comprar uma moto, roupas para minhas filhas, móveis e ir morar numa casa melhor, fui conseguindo ter uma vidinha melhor, depois disso fui contemplada com uma casa que a que moro até hoje aqui no Campos Belo”, relatou.

A área da beleza

Mesmo trabalhando no banco, tendo um salário melhor, Beth sonhava com mais, pediu uma amiga que a deixasse trabalhar de graça em um salão de beleza para aprender. Depois fez um curso de bronzeamento natural o pontapé para ter seu próprio negócio. Nesse meio período saiu do banco para trabalhar no estado como Socioeducadora, e dividia o tempo entre atender as clientes em casa para bronzeamento e o trabalho no estado.

A primeira rede social

“Para divulgar meu trabalho eu criei uma conta no facebook e foi quando meu trabalho ficou conhecido na cidade, meu nome e aí não consegui mais conciliar estado e bronzeamento, optei por ficar com meu negócio, pois estava me dando uma renda muito boa”, relembra.

Maquiagem

Mesmo estando bem na área de bronzeamento, Beth não queria parar, gostava de maquiagem e pensou que seria uma boa fazer um curso “me ajudaria também a economizar, pois gastava muito com os shows”, pensou, e assim fez. “Muitos me criticavam, ah você já está ganhando bem com bronzeamento, ao invés de descansar, pra que fazer mais curso, já tem profissão, quer abraçar o mundo…essas e ainda as chacotas porque eu treinava nas minhas filhas”.

Mas as críticas não a fizeram parar, e Beth continuou se capacitando, fez cursos em São Paulo, participava de workshops, e o resultado veio: ela passou em primeiro lugar em um processo seletivo para ser Instrutora de Maquiagem do Senac, onde está até os dias atuais.

Digital influencer

Para divulgar o trabalho de maquiagem e continuar divulgando o de bronzeadora, Beth Melo migrou para o Instagram, em meados de 2016. E o número de seguidores crescia rapidamente.  Fui divulgando uma empresa, divulgando outra, mas até então não sabia nem o que era digital influencer, foi em um curso em São Paulo que descobri e percebi que eu era uma influencer”, conta.

Beth lembra que no início foi até motivo de chacota para alguns. “ Cheinha, gordinha, já não era tão novinha, mãe, já tinha outras profissões e ainda ia mexer com isso?”, questionavam, conforme relatou a influencer. “Mas fora da internet eu já influenciava, sempre minhas clientes perguntavam sobre um esmalte, um batom, uma roupa, e quando eu ia nas lojas me diziam: vieram algumas clientes por indicação sua aqui”, conta.

Família e realização

Beth casou-se novamente com o Elton, já estão juntos a 7 anos e hoje possui contato com o pai biológico. “Hoje sou muito grata por toda a minha trajetória, apesar da turbulência que teve lá no início da minha história, hoje eu tenho convívio com meu pai, a gente senta almoça, ri, toma uma juntos, temos uma convivência muito boa graças a Deus”.

Beth conta também da felicidade em fazer o que ama. Por causa do trabalho diz já ter ajudado adolescentes em depressão “teve uma que estava se cortando dentro de casa e não tinha coragem de se abrir com a mãe, se abriu comigo eu imediatamente levei numa psicóloga que entrou em contato com a mãe e conseguiu fazer o tratamento, e isso me deixou muito feliz”. Também realiza ações sociais como o projeto Carrossel, que esse ano não será realizado por conta da pandemia.

Confira aqui um vídeo do projeto realizado em 2018.

 “Além disso também eu consigo ter uma renda por meio desse trabalho, me mantendo com o dinheiro das minhas parceiras, é muito bom trabalhar com o que ama e ter um resultado, não só financeiro, mas de estar no meio das pessoas, ter conectividade, conversar, ouvir as histórias das pessoas, é muito bom e o que me faz mais grata ainda é que a cidade de Gurupi me abraçou do jeitinho que sou, falando errado, sendo polêmica as vezes, isso é gratificante”, concluiu Beth Melo.

Espero que essa história tenha inspirado alguém a buscar sempre o melhor, ter foco e nunca desistir por conta de críticas. Gostou? Então compartilhe com alguém que está precisando de uma dose de motivação. E se você tem ou conhece alguém com uma história de vida inspiradora, seja de empreendedorismo, superação…enfim, divida conosco, entre em contato pelo e-mail [email protected]

Comentários do facebook

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: